O DISCO DE JAZZ MAIS VENDIDO DA HISTÓRIA

O DISCO DE JAZZ MAIS VENDIDO DA HISTÓRIA

A história do jazz pode ser dividida em antes e depois do disco “Kind of Blue” que, em tradução livre, quer dizer “uma espécie de melancolia”. O álbum foi criado por Miles Davis e está completando 60 anos em 2019. “O som do céu”, esse era o título da resenha do New York Times sobre o lançamento do álbum, que era não só uma obra-prima revolucionária de um gênio, mas se tornaria o disco de jazz mais vendido da história.

Tudo começou em 1959 quando Miles conheceu as novas teorias louquíssimas de música modal e fez uma música baseada nelas que chamou apropriadamente de “Milestones”, que em inglês siginifica ao mesmo tempo “os tons do Miles” e “ marco fundador”. Entusiasmado com o resultado, Miles chamou um fabuloso “dream team” do jazz para gravar “Kind of Blue” em Nova York: o pianista Bill Evans, o baixista Paul Chambers, o baterista Jimmy Cobb e os saxofonistas Cannonball Adderley e ninguém menos que o gênio John Coltrane. Deu no que deu.

Apesar do seu estilo radical e sua alta complexidade, o disco não só foi recebido entusiasticamente pela crítica como se tornou um grande sucesso popular, vendendo mais de um milhão de discos e ficando um ano no topo do hit parade de jazz, onde continua até hoje. Gravado sem ensaios em um estúdio de apenas três canais, com menos recursos técnicos que qualquer adolescente tem hoje em casa, “Kind of Blue” tem uma qualidade sonora insuperável e, mais ainda, se ouvido em vinil.

“Kind of Blue” seria apenas uma das radicais inovações que o genio de Miles Davis introduziu no jazz e que o levaria a fusões revolucionárias com o hard rock em “Bitches Brew” e com o acid jazz e o hip hop, em 1992, com “Doo Bop”. Além de lindíssimo, “Kind of Blue” é um dos discos mais influentes de todos os tempos, que mudou radicalmente os rumos da história do jazz e abriu novos caminhos para o rock e até para a música clássica. E ainda hoje soa novo e revolucionário.

Agora é só apertar o play e sentir a magia destes acordes.

TORRE DE VIGIA DO MARROCOS

Neste incrível filme Leonardo captura momentos, locais, atmosferas e expressões. Uma imersão na verdadeira beleza das ruas de Marrakech, Essaouira, Fes el Bali e Casablanca! Aqui ele mostra as pessoas em sua vida diária e concentra-se nas especificidades do Marrocos.

O resultado é de tirar o fôlego! Esta é a primeira coisa que vem à mente quando assistimos essa obra-prima pela primeira vez. Nesse vídeo curto, o artista optou pela originalidade usando seu talento para colocar o Marrocos em imagens, chegando assim ao resultado final de uma verdadeira colcha de retalhos de cenas, coletadas nas ruas das principais cidades do Marrocos. São cenas variadas, que se acomodam harmoniosamente no clima de alegria e no bom humor das pessoas que é possível sentir. Esta mistura cintilante de cores brilhantes é particularmente enfatizada pela Sinfonia do Grand Pianola Music, de John Adams.

Assista a este vídeo inspirador!

TORRE DE VIGIA DA TURQUIA

Estamos muito satisfeitos em publicar a história de como o maravilhoso curta-metragem ‘A Sentinela da Turquia’ foi feito. Nomeado como Melhor Vídeo de 2014 no Vimeo, o Final Cut Pro X forneceu todas as ferramentas para Leonardo Dalessandri produzir um trabalho espetacular e inspirador. Se você não é uma das 2,5 milhões de pessoas que assistiram a “Watchtower Of Turkey” em qualquer uma das plataformas de vídeo populares nos últimos três meses, esta é a hora de fazê-lo. O vídeo se tornou viral assim que foi publicado. Milhares de pessoas expressaram sua admiração por uma infinidade de sites e mídias sociais. A Torre de Vigia da Turquia recebeu o prêmio de Melhor do Vimeo 2014 e Leonardo Dalessandri, o jovem cineasta italiano que fez o filme, recebeu ofertas de produtores de todo o mundo para trabalhar com ele. E se você se perguntar por que um vídeo de viagem de 3 minutos pode surpreender tantas pessoas, basta dar uma olhada!

A Torre de Vigia da Turquia recebeu o prêmio de Melhor do Vimeo 2014 e Leonardo Dalessandri, o jovem cineasta italiano que fez o filme, recebeu ofertas de produtores de todo o mundo para trabalhar com ele.

O vídeo é uma mistura de edições de correspondência, efeitos na câmera e também alguns hyper lapses e tomadas de composição. Às vezes Leonardo usou zooms, retrocessos, inversos de imagem e efeitos de luz para adicionar um toque dramático entre os cortes, mas sempre tentou usar esses efeitos de maneira funcional para que o espectador não os percebesse como efeitos, mas como partes da edição. Assim o olho se concentra na continuidade dos movimentos, cores e ações e isso faz com que os cortes pareçam invisíveis. É uma técnica clássica de montagem. Como o vídeo se tornou viral, o autor relatou que muitas pessoas entraram em contato para contratá-lo para fazer algo semelhante para elas. Vários contatos foram feitos pedindo para ele fazer uma Torre de Vigia para a Grécia, Panamá, Espanha, Portugal e muitos outros países. Mas todos disseram algo como “Você pode filmar 15 dias em janeiro e nós precisaríamos disso duas semanas depois”. Mas como sua forma de fazer as coisas com todo cuidado e técnica exige muito mais tempo, seria impossível atender a todos esses pedidos. Leonardo fará no futuro uma próxima viagem de férias provavelmente para a Índia. E como ele já trabalhou lá em um projeto de cinema em 2011 o que fez com que ele se apaixonasse pela cultura indiana, suas cores e sua intensidade; a India seria um ótimo lugar para ele fazer a sua próxima Torre de Vigia.